9 de set de 2011

I won't forget you

Saiu do banheiro e esbarrou nela quando se abaixou rumo ao bebedor. Assim como no dia que se conheceram naquela faculdade sempre cheia com ar de abandonada. Na época pareciam uma dupla imbatível, “casal sensacional” era o que diziam. Agora não tão sensacional como já foram antes.

Se quer eram um casal.

Ela trazia uma expressão de desprezo ao rosto sempre que o via pelos corredores. Ele apático como sempre, isso a irritava profundamente. A moça dos cabelos loiros era capaz de atravessar a rua, perder o apetite e não entrar em uma festa, bar, batizado, missa ou culto se tivesse pelo menos um pensamento de que ele estaria sentado, escorado, apoiado ou passando pelo local.

Ódio.

Era o que ela dizia. Era o que ela queria acreditar que sentia. Isso até um futuro não tão distante onde ela não mais o veria pelos corredores por meses, para descobrir um tempo depois que não morava mais no Brasil. “É! Intercambio, ouvi falar que não volta mais”. E não voltou.

Nas noites vazias que vão chegar cedo ou tarde até seu quarto com ar de abandonado, pensará nas coisas que gostaria de ter dito aquele rapaz de cabelos bagunçados e olhar perdido, pensará nas coisas que poderiam ter vivido se ela não tivesse orgulho tão forte em suas atitudes. Mas hoje só balança a cabeça com ar de nojo após um pedido sem graça de desculpas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário