29 de ago de 2011

Querida L.

Não sei se foi a atenção desperdiçada, o sorriso fácil, os olhos cansados ou talvez nada disso. O que eu sei, é que só penso no momento que passamos juntos e no jeito que meu coração bate desritimado - conseqüência de pensar em você.

“Sem jogos”

Eu não teria dado um conselho tão bom. Sem jogos, sem mascaras, nomes falsos, historias inventadas. Só você, eu e a nossa vontade. Eu um jovem desiludido, de peito aberto, coração cansado. Você, uma mulher linda, independente, engraçada, inteligente, excitante e nada comum.

A verdade é que não queria que o tempo tivesse passado e a noite tivesse acabado. Queria ter conseguido te ensinar a musica do Nando Reis, queria ter descoberto mais sobre você, trocado mais carinho. É fato que teria te ligado hoje, pra dizer tudo isso que acabei escrevendo. É fato também que não conseguiria te dizer metade do que escrevi, não teria coragem de te contar da carta que escrevi bêbado antes de dormir.

Você disse que eu era um romântico. Talvez eu seja mesmo, poucas pessoas têm a capacidade de ver na melancolia a beleza que eu vejo. Menos pessoas ainda, conseguem ver a verdadeira beleza na sinceridade.

Parafraseando Cazuza diria: Como eu queria que o tempo tivesse passado arrastado só pra ficar ao seu lado.

É possível se passar anos ao lado de alguém sem se sentir tão bem quanto me senti com você. Atenciosamente, de um cara apaixonado.

Ps: O pé de amora está crescendo.

3 comentários:

  1. Tiradentes é surpreendente... quem diria que aquele menino tímido que veio para minha amiga como quem nao quer nada seria capaz de produzir coisas tão lindas? parabéns João! vamos trocar figurinhas nos blogs?

    ResponderExcluir