18 de set de 2011

Time for heroes

"Acordou o corpo ainda doía se dirigiu com precisão até a pia do banheiro. Sacou a escova de dente com a velocidade de um cowboy em duelo. A mesma rotina. O mesmo sangue ao enxaguar a boca, com o mesmo roxo no olho e a mesma mulher no coração.

A casa suja, roupas também. Sinais de alguém desapegado, mas se era assim tão desapegado porque não superava essa fase de amor não correspondido e brigas sem sentido? Mais um gole no gim aberto em cima do balcão. Para comer apenas restos, pra viver tinha menos que isso. Pensava sozinho que seria melhor não ter tanta sorte no jogo e finalmente conseguir o que queria. Por uma noite.

Por alguns anos."

Nenhum comentário:

Postar um comentário