27 de set de 2012

Sem calor



                Certa vez em Goiás conheci um rapaz. Ele tinha cabelos castanhos que fugiam por debaixo do seu chapéu de cowboy, dentes amarelados e a boca sempre aberta deixava escapar o hálito de cachaça bebida. A pele queimada do sol, já não era mais branca. Os olhos não ficavam tão abertos e o branco, assim como na pele, dava lugar ao vermelho.
                E ele falava de cavalos, vacas e cabras. Ele falava de mulheres, pescarias e cervejas enquanto tufos de cabelo castanho tentavam escapar por debaixo do chapéu. Enquanto a saliva voava alcoólica alguns passos à frente, ele cantava modas antigas e tocava um desafinado violão.
                As pessoas nos bares, nas ruas e nas chácaras não davam atenção. As nuvens com seus cães, dragões e cartolas, não davam atenção.
                Seu chapéu de cowboy caiu enquanto saia, e as lagrimas caiam quando ele dizia que tinha mulher e filha.
                O mundo não foi cruel.
                Ele dizia, colocando o chapéu, que as pessoas foram e ele acabou por perder o que não devia.
                E o rapaz falava de cavalos e mulheres, pescarias e vacas, cervejas e cabras, churrascos e amizades enquanto mechas de cabelo fugiam por debaixo do chapéu de cowboy e lágrimas salgadas escorriam até a boca com dentes amarelos e cheiro de cachaça bebida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário