23 de out de 2012

Pipa



                Ela acendeu um cigarro, se olharam nos olhos e sorriram sem graça. Ela olhou pra frente, apoiada na varanda. Ele olhou para baixo, pro violão que se apoiava nas pernas cruzadas. Falaram sobre a cidade, o Brasil, clima, teatro, cinema, literatura. Ela saiu rápida dizendo querer um café: “É para acordar!” dizia com seu sotaque estrangeiro carregado, ele se apoiou nos acordes, céu azul claro e a brisa leve que batia no segundo andar.
                Se encontrariam de novo no ônibus.
                Depois no teatro, ele iria convidá-la para comer e aí almoçariam juntos num lugar simples que mais parecia uma padaria, mas passariam todo o dia acompanhados um do outro sem que percebessem. No jantar sentariam em mesas próximas, ela de costas pra ele, ele com colegas estafantes.
                Nos bares a noite, se esbarrariam e iriam rir e falar sobre cachaça e cerveja, trocariam mais olhares e algum carinho discreto até o beijo, que levaria ao sexo e que o deixaria bobo.
                Exatamente da mesma maneira que está agora, sentado ali na varanda do segundo andar, com o cabelo pra traz molhado ainda do banho, de chinelas e pernas cruzadas, tocando acordes soltos enquanto ela toma um café na recepção do hotel, dizendo bom dia entre um sorriso e um gole aos hospedes educados que passam rumo à porta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário