6 de nov de 2012

Pobre Lázaro



                O pobre Lázaro tinha algo de especial. Ninguém sobe ao céu se não tem algo de especial. Faz parte da vida.
                Claro, como se eu soubesse o que é preciso fazer e qual caminho mais certo.
                Lázaro devia saber.
                Ele gostava de cães, isso é uma boa qualidade. Cães são legais.
                Mas eu, sinceramente, não sei se quero subir aos céus. Tendo em vista as pessoas que buscam isso na terra, acho que o melhor lugar, pra mim, é no calor aconchegante do inferno ou, quem sabe, viver eternamente por aqui. O que não seria, no final, de todo mal.
                Não é que eu não goste do grande Cristo.
                O cara teve culhões e a manha pra entrar pra história vivendo aquilo que acreditava. Não era um bunda mole que nem o Lennon e esses novos seres que pregam o amor.
                O que Lennon, Mensageiros do amor e o grande Cristo tem em comum?
                O mesmo fã clube insuportável.
                Olhando tudo isso, o inferno não me parece assim tão ruim no final das contas.
                Sinto pena do pobre Lázaro, sofreu tanto em terra para ter que aguentar essa galera chata por toda eternidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário