22 de set de 2012

Trágico... Ou não



                Carlos Eduardo era um rapaz ordinário, quase medíocre. Gostava de coisas medianas, o maior sonho era ter um carro.
                Não!
                Não estamos falando de um carro com personalidade, um clássico, estamos falando desses novos. Fabricados em massa, e todos, absolutamente todos, tem o mesmo defeito e na minha, singela, visão não passam de um monte de plástico.
                Mas ele queria. Quem sabe uma casa em um bairro médio e um emprego legalzinho com dois meses de férias.
                Carlos Eduardo conheceu mulheres, mas elas eram demais pro seu sonho. Ele queria alguém médio, que não bebesse, e tivesse um apetite sexual aceitável. Duas vezes por semana.
                Era tão exigente e tão chato que passou a vida só. Não comprou o carro, ficou com um pequeno apartamento que ganhou como herança de uma tia de segundo grau e teve 7 gatos. Carlos Eduardo morreu nesse apartamento, de uma parada cardíaca, que para ele era, só, uma pequena pontada no peito.  
                Foi encontrado meses depois, com o rosto comido pelos gatos em um apartamento empoeirado, sentado em uma pequena poltrona com um toco de cigarro coberto de teias de aranha em um pequeno cinzeiro, ao lado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário