24 de mai de 2013

You can't break our fall



                Gostaria de dizer, hoje, que entendo Cobain. Entendo mesmo. De admirar. Ernest, vejo, agora, que o fuzil é tão atraente quanto os seios da ruiva que mora na casa ao lado. Compreendo de verdade. Quando um dos, poucos, bons políticos brasileiros, o Tiririca, contrariando expectativa geral, disse que se sentia de mãos atadas e não tentaria reeleição – num tom triste – “Já fiz tudo que era possível” Ele também captou o mesmo que eu.
                É muita merda.
                Se sufocaram com ela e estou começando a me sentir como eles. É difícil dizer que não vejo saída. Sou jovem, eu vejo saída. É perceptível, ainda, há esperança. O fogo arde. Mas vai chegar um dia em que isso não existirá.
                Quando esse dia chegar nem os peitos da ruiva, a buceta interiorana, o uísque maltado e todo dinheiro do mundo será capaz de retirar a merda que afoga pessoas como Cobain. Talvez eu não seja como ele, e, a merda não me atinja. Porém, as coisas não tendem a mudar, pelo menos não na minha vida. Seguindo a linha de hoje, meu único motivo de esperança é pensar: Me juntarei a você, Hemingway, no inferno ou onde quer que se encontre todos aqueles que se afogaram e afogarão nos males do mundo.
                É triste pensar que como nós, existem milhares.

Nenhum comentário:

Postar um comentário