16 de jun de 2013

A beleza de deitar



                Quando alguém quer outro, o que existe é algo simples. Quando Pedro Emanuel quer Paloma Eduarda, o que sobra entre os dois é amor. A não ser que um terceiro, o amor, profane. Se Paloma escolhe Pedro, ela quer ter sua alma, seu corpo, sua vida. Mas se além dos dois existirem mais? E se Emanuel privar Eduarda do que ele mais venera, o amor sobrevive? Se não privar, a querência durará?
                Diziam que o amor só dura em liberdade.
                Sofrerão. Libertar é preciso. Ele não a quer presa como santa no altar. Ela não quer o amor entre os dois. Nesses casos o junto não é assim uma boa pedida. Quando a complexidade fala mais alto que a vontade, quando o sentimento é maior que liberdade, o melhor, é, seguir seu caminho. Até porque se um dos dois perguntar ao outro: Onde você quer chegar? A resposta pode por um fim em tudo bom que um dia surgiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário