2 de set de 2013

Cowboy.



                “Mais uma dose”. Algumas noites nunca tem fim. Mais uma dose e mais um amor, para sentar e sangrar em frente à folha em branco, grossos pingos negros de tinta. Por amores e um trago, por mais que a cada gole, o álcool, inunde os pulmões e as palavras não ditas estrangulem a alma. Uma nova mulher vale isso.
                Mesmo que, no final, a tosse impeça a inalação imediata, ainda que o pigarro insista em sair descompassado, pintado de sangue. Vale a pena. Até porque, as folhas em branco foram feitas pra serem manchadas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário